A proposta do governo do Distrito Federal de realizar parceria público-privada (PPP) para tratar os resíduos sólidos foi alvo de questionamentos por parte da deputada Arlete Sampaio (PT), durante a sessão desta quarta-feira (17). Segundo informou a parlamentar, o edital prevê a concessão do serviço por 30 anos para a iniciativa privada; o montante envolvido é de R$ 3,9 bilhões – dos quais metade será proveniente de repasses do GDF.

“É uma proposta esdrúxula que deve ser examinada com muito cuidado pelos órgãos de controle”, defendeu a distrital, que chamou a atenção para os “valores exorbitantes” da concessão e para “o impacto sobre a vida de mais de três mil catadores de materiais recicláveis que vivem disso no DF”.

“Quando fui vice-governadora, todo o serviço de limpeza era feito pelo SLU; aos poucos, milhões e milhões passaram a ser gastos para pagar serviços terceirizados”, lamentou. Para Arlete, a proposta de PPP do GDF é um “desmonte da cadeia produtiva dos trabalhadores” envolvidos na gestão dos resíduos sólidos.

Denise Caputo - Agência CLDF