Plano de ação melhorou tratamento das demandas, prazo e qualidade das respostas

Os índices de desempenho da ouvidoria do Instituto Brasília Ambiental apresentaram crescimento de até 22% entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano. Os excelentes dados levaram a área do instituto a entrar na situação de monitoramento pela Controladoria Geral do Distrito Federal (CGDF). A nova condição resulta da execução do plano de ação, desenvolvido pela nova gestão.

A ouvidoria do órgão ambiental estreou este ano sua versão itinerante em Águas Claras, com o objetivo de aproximar a autarquia da população e promover a conscientização a respeito da poluição sonora| Foto: Divulgação/Brasília Ambiental

O relatório da CGDF revela que de 1º de janeiro a 31 de março o índice de resolutividade da ouvidoria do órgão ambiental estava em 18%, o de satisfação estava em 43%, o de recomendação em 55%, o de satisfação com atendimento em 43%, de satisfação com o sistema da Ouvidoria Geral do DF de 68% e de satisfação com a resposta, de 17%.

De 1º abril a 30 de junho, o índice de resolutividade foi para 27%, de satisfação para 59%, de recomendação para 66%, de satisfação com atendimento 60%, de satisfação com o sistema da Ouvidoria Geral do DF 88% e de satisfação com a resposta de 33%.

O índice que apresentou maior crescimento foi o de satisfação com o sistema da Ouvidoria Geral do DF. “A média do índice de resolutividade, de 1º de janeiro até 31 de agosto, já está em 27%, o que é um grande avanço em relação aos anos anteriores”, comemora o ouvidor Alan César Ferreira.

Segundo ele, o plano de ação passou por um alinhamento interno com as unidades do órgão para melhorar as qualidades de tratamento das demandas, do prazo e da qualidade das respostas “A partir daí, os índices foram melhorando”. Ele acrescenta, ainda, que essa melhora se deve a todo esforço institucional.

Itinerante

A ouvidoria do órgão ambiental estreou este ano sua versão itinerante. A ação aconteceu na região administrativa de Águas Claras e teve o objetivo de aproximar a autarquia da população, assim como promover a conscientização a respeito dos problemas da poluição sonora.


Com informações do Brasília Ambiental