GDF anuncia medidas para melhorar atendimento da rede pública, como a nomeação de servidores e terceiro turno para realização de cirurgias eletivas

Os diretores dos hospitais regionais e das unidades básicas de saúde e os superintendentes das regiões de saúde terão um cartão que vai financiar reformas e manutenção nas unidades de saúde. O Governo do Distrito Federal (GDF) lança o Cartão Pequenos Reparos para as unidades hospitalares, que vai funcionar nos mesmos moldes do cartão destinado às escolas públicas, que permite aos gestores dos colégios e coordenadores de regionais de ensino usem parte do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf) para obras de pequeno porte.

O governador Ibaneis Rocha reuniu 10 gestores do 1º escalão neste sábado para anunciar a criação do Cartão Pequenos Reparos para as unidades hospitalares e assinar a posse do novo secretário de Saúde e a nomeação de novos servidores para a pasta | Fotos: Renato Alves/Agência Brasília

O decreto que cria o programa foi assinado na manhã deste sábado (28) pelo governador Ibaneis Rocha e será publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). Os superintendentes terão um limite de R$ 100 mil e os diretores, tanto de hospitais quanto de unidades básicas de saúde, terão R$ 70 mil para financiar reparos nas unidades hospitalares.

“Com esse cartão, a gente espera que não faltem suprimentos e sejam feitos os reparos necessários nas unidades”Governador Ibaneis RochaO decreto que cria o programa foi assinado na manhã deste sábado (28) pelo governador Ibaneis Rocha e será publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). Os superintendentes terão um limite de R$ 100 mil e os diretores, tanto de hospitais quanto de unidades básicas de saúde, terão R$ 70 mil para financiar reparos nas unidades hospitalares.

R$ 88 milhões
serão investidos na infraestrutura dos hospitais públicos do DF

“Isso já vinha em análise e estudado junto com a equipe. Surgem muitas reclamações de pequenos reparos que precisam ser feitos e causam muito prejuízo. Com esse cartão, a gente espera que não faltem suprimentos e sejam feitos os reparos necessários nas unidades”, disse o governador.

O secretário de Economia, André Clemente, explicou que o dinheiro pode ser usado para consertar um vazamento, fazer uma instalação elétrica ou uma pintura. “Nós sabemos que a burocracia muitas vezes atrapalha a velocidade das realizações e a reforma e a manutenção nos hospitais é uma realidade”, afirmou. “São situações simples que comprometem muito o ambiente de trabalho e o atendimento aos pacientes”, ressaltou..

O limite será renovado a cada prestação de contas e o cartão será emitido pelo Banco de Brasília (BRB). A expectativa do governo é investir R$ 6 milhões no programa até o final do ano. Também na manhã deste sábado, Ibaneis Rocha anunciou que a Secretaria de Economia liberou R$ 88 milhões para investimento na infraestrutura nos hospitais. Segundo o governador, o dinheiro será repassado imediatamente para a Secretaria de Saúde, que fará andamento às reformas.

431
profissionais foram nomeados para reforçar o atendimento nas unidades de saúde

Mais servidores

O governador Ibaneis Rocha assinou a nomeação de 431 profissionais, entre médicos, enfermeiros, farmacêuticos e especialistas aprovados no último concurso da Secretaria de Saúde que vão reforçar o atendimento nas unidades de saúde. Foram chamados 104 médicos, 64 enfermeiros obstetras (zerando o cadastro reserva nos dois casos) e 38 enfermeiros de família e comunidade. Já na carreira de especialistas serão convocados 35 fonoaudiólogos, 5 economistas, 5 estatísticos e 5 contadores, além de 80 farmacêuticos – que atuarão em toda rede de atenção primária com a administração de psicotrópicos e nas farmácias clínica e hospitalar.

A pedido do governador Ibaneis Rocha, a Secretaria de Saúde vai ofertar 10 mil horas de trabalho por período definido (TPD), uma espécie de hora extra, para o mutirão de cirurgia. Serão 54 salas cirúrgicas que funcionarão à noite e em fins de semana, o que dará vazão à lista de espera represada. “Essas 10 mil horas são para as cirurgias eletivas que estão represadas por conta da pandemia”, afirmou Ibaneis Rocha. “Assim, a gente espera se não zerar, mas pelo menos colocar a fila de espera dentro da normalidade”, completou.

O chefe do Executivo local também disse que desde sexta-feira (27), os pacientes com covid-19 dos hospitais regionais da Asa Norte, Ceilândia, Gama e Taguatinga estão sendo transferidos para os hospitais de campanha. Na cerimônia da manhã deste sábado (28), que reuniu 10 integrantes do primeiro escalão do GDF, o general Manoel Luiz Narvaz Pafiadache tomou posse como secretário de Saúde do Distrito Federal. “O governador já colocou uma série de medidas para que a gente possa avançar e conquistar objetivos voltados para o atendimento da população”, disse o secretário.

Com informações da Agência Brasília