Após brilhantemente trabalho à frente da Secretaria de Economia do Distrito Federal, reconhecido e elogiado por  representantes de todos os setores da economia do Distrito Federal, e, claro, pelo próprio governador Ibaneis Rocha, o ex-secretário de Economia do Distrito Federal, André Clemente, tomou posse nesta quinta (23) como conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal  

A presença de Ibaneis Rocha foi garantida. Afinal, o governador, ao escolher Clemente para comandar a pasta, acreditou e teve excelente retorno dos serviços prestados por seu amigo desde o início da escalada até chegar ao Buriti, à frente da Secretaria da Economia, na qual geriu com competência os recursos do caixa do GDF, mesmo com os desafios provocados pela pandemia do Covid-19.

Muitos ficaram admirados como o GDF empreendeu ritmo de inaugurações de obras, enquanto a grande maioria de governadores do Brasil ficaram engessados pela crise econômica ao longo de dois anos de pandemia.

Ibaneis Rocha encaminhou à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) a nomeação de Clemente. No dia 2 dezembro, Clemente teve aprovado pelo colegiado para ocupar uma das cadeiras do Tribunal de Contas. A nomeação fora publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), na quarta (22). Assim, Clemente foi oficialmente conduzido do TCDF, em substituição ao conselheiro Paiva Martins.

Em 2 de dezembro último, o nome de Clemente foi aprovado pela Câmara Legislativa para compor o pleno da Corte de Contas. E, nesta quarta (22), a nomeação foi publicada no Diário Oficial do DF. Ele passa a ocupar a vaga aberta com a aposentadoria do conselheiro Paiva Martins.

Na visão de Clemente, o novo desafio será marcado por aprendizado. “Trata-se de uma corte que analisa todas as contas do governo e onde as políticas públicas, as relações de governantes com a população são analisadas sob o ponto de vista da legalidade, legitimidade e economicidade”, frisou Clemente. “Será um grande desafio.”

Ao lado de Ibaneis Rocha, como secretário do GDF, Clemente implementou fundamentais pacotes de incentivo à produção, geração de emprego, garantindo que o setores da economia local não parassem de girar.

Entre essas ações, lançou programas que se traduziram em de medidas certeiras para fomentar a economia da capital no período da pandemia. Só para citar alguns, o Pró-Economia 1 e 2 e o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal do Distrito Federal (Refis) foram alguns deles, beneficiando milhares de empresas da capital.

Com informações do TUDO OK DF