Papa defende que casamento é somente entre homem e mulher
Religioso disse que a Igreja não pode mudar sacramentos
O papa Francisco defendeu que haja leis civis para regular uniões homoafetivas, mas afirmou que o casamento é apenas entre um homem e uma mulher.
 A declaração foi feita por ele nesta quarta-feira (15), em entrevista ao Vatican News, quando o religioso retornava de uma visita à Eslováquia.
O papa defendeu que todas as uniões sejam amparadas pelos governos, mas diferenciou a união civil do sacramento do casamento.
– Existem leis que tentam ajudar a situação de muitas pessoas que têm uma orientação sexual diferente. 
É importante que os Estados tenham a possibilidade de ampará-los civilmente, dar-lhes segurança patrimonial, saúde etc
Não só aos homossexuais, mas a todas as pessoas que queiram se associar.
Mas casamento é casamento – afirmou.
O papa ressaltou que não se trata de condenação, mas reforçou que o casamento é apenas entre um homem e uma mulher.
– Isso não significa condená-los. 
Eles são nossos irmãos e irmãs. 
Devemos acompanhá-los. 
Existem leis civis para as viúvas, por exemplo, que querem ser associadas a uma lei para ter serviços; tem o PACS Pacto Civil de Solidariedade francês. 
Mas nada a ver com o casamento como sacramento, que é entre um homem e uma mulher – reforçou.
O pontífice criticou ainda a polêmica que corre em torno do assunto e pediu que a Igreja tenha liberdade para não celebrar cerimônias de casamentos do tipo.
– Às vezes, cria-se confusão. 
Eles são como irmãos e irmãs. 
O Senhor é bom. 
Quer a salvação de todos. 
Mas, por favor, não façam a Igreja negar a sua verdade. 
Muitas pessoas com orientação homossexual falam sobre a penitência, pedem conselhos ao padre, a Igreja os ajuda, mas o sacramento do casamento é outra coisa – encerrou.

Pleno News