Mulher vivia com companheiro desde 1996 e já tinha um registro de colocar soda cáustica para a vítima beber em 2012   Um crime bárbaro choco.

Mulher vivia com companheiro desde 1996 e já tinha um registro de colocar soda cáustica para a vítima beber em 2012
 
Um crime bárbaro chocou os moradores em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, depois que uma idosa de 62 anos foi presa nesta terça-feira (31), suspeita de esquartejar e concretar o corpo do companheiro, de 55 anos, no piso da cozinha da casa onde o casal vivia na Grande BH. Os detalhes da investigação do crime foram informados pela Polícia Civil nesta quarta-feira (1º).
 
A mulher, que não teve a identidade revelada, negou a autoria do crime, porém  entrou em contradição durante depoimento na delegacia de polícia. A suspeita já havia sido presa por causa de um atentado com soda cáustica contra a vítima em 2012.
 
O  delegado da Polícia Civil, Fábio Werneck,  responsável pelo caso, revelou a tentativa de homicídio contra Dilson Bicalho. "Havia um boletim de ocorrência do ano de 2012, que relatava que a vítima tinha sofrido um atentado contra a sua vida, em que sua companheira teria colocado soda cáustica em uma garrafa d’água que estava na geladeira. A vítima ingeriu essa água com soda cáustica e foi parar no hospital, e a companheira acabou presa", contou.
 
Na época, a mulher revelou que antes de comprar a soda cáustica teria sido agredida com um soco no olho e que perdeu a visão. Após esse fato, a relação ficou conflituosa, inclusive com "separação de corpos".
 
Durante coletiva de imprensa, Werneck informou que a vítima estava morta há pelo menos 20 dias. Ao ser ouvida, a mulher alegou que no dia 10 de agosto, um dia antes do sumiço do seu companheiro, ele teria levado para casa um amigo, que dormiu na casa do casal. Segundo a mulher, por volta das 5h, ele saiu para ir ao Rio de Janeiro, e que ela seguiu para Belo Horizonte para fazer compras. Depois desse episódio, ela não viu mais seu companheiro, com quem vivia desde 1996.
 
Ainda de acordo com o delegado que investiga o caso, além da crise no relacionamento do casal, o crime pode ter motivação financeira. A vítima teria contraído um empréstimo no valor de R$ 8 mil reais para iniciar o tratamento de um câncer de próstata A suspeita é que a mulher queria tomar posse do  dinheiro. A polícia já solicitou a quebra do sigilo bancário, uma vez que os valores não foram encontrados na residência.
 
Uma denúncia anônima motivou o deslocamento de uma equipe até o local. A suspeita é que o corpo da vítima estivesse enterrado no quintal da casa. Foi realizada uma primeira escavação no local e nada foi localizado.
 
"A investigada foi receptiva. Parece que ela não contava que o local onde o corpo foi enterrado fosse descoberto", revelou o delegado à imprensa.
 
Ainda segundo o chefe de polícia, a casa é pequena e simples, com quarto, sala e cozinha. Ao vistoriarem o interior do imóvel, os investigadores viram que havia um "pequeno retângulo de concreto fino, recente, estufado e trincado", sob uma mesa na cozinha.
 
Apesar de negar a autoria do crime, ela foi presa em flagrante por ocultação de cadáver e já foi solicitada à Justiça sua prisão preventiva.

Dá redação Estrutural On-lin