Foram retirados aproximadamente 2.606 m³ de sedimentos e de vegetação sobre o espelho d’água, ampliando a segurança operacional da represa

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) realizou o desassoreamento  (dragagem) do canal de aproximação do vertedouro da Barragem do Torto. A ação melhorou a capacidade de vazão do sistema extravasor de cheias, ampliando a segurança operacional da barragem.

Foram retirados aproximadamente 2.606 m³ de sedimentos e de vegetação sobre o espelho d’água, no canal de aproximação do vertedouro. Esses sedimentos estavam dificultando o escoamento da água prevista para passar pelo vertedouro, aumentando o nível de água no reservatório, o que poderia afetar a segurança da estrutura da barragem.

Desde a identificação do problema, a Caesb buscou soluções para a retirada da vegetação e o desassoreamento do canal de aproximação do vertedouro. Diferentes áreas da companhia, como a de meio ambiente e recursos hídricos, de produção de água, de segurança de barragens, de manutenção industrial e de logística, foram mobilizadas e delinearam estratégias para desassorear o canal de aproximação do vertedouro.

Sedimentos estavam dificultando o escoamento da água prevista para passar pelo vertedouro, aumentando o nível de água no reservatório, o que poderia afetar a segurança da estrutura da barragem | Foto: Fábio Albernaz/Caesb

Externamente, a empresa manteve contato com o Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade (ICMBio), gestor do Parque Nacional de Brasília (PNB), o que culminou com a obtenção de autorização para a realização dos serviços de desassoreamento.

Foram definidos, também, o local para a disposição do material retirado do reservatório, a realização dos serviços no período de estiagem e a adoção de medidas de controle para a mitigação dos impactos ambientais. O material retirado foi caracterizado como uma mistura de solo e vegetação, que foi depositado em uma área degradada por processo de exploração de cascalho localizada nas proximidades da Estação Elevatória de Água do Torto.

Os serviços foram executados pela Gerência de Manutenção Civil (PMIC) e tiveram duração de seis semanas. Para o gerente de Gestão Ambiental Corporativa da Caesb, Flávio Santos Gonçalves, a interação entre as diferentes áreas da companhia foi essencial para o sucesso do serviço. “Optou-se pela execução do desassoreamento por etapas, de forma a manter o abastecimento de água da população e minimizar gradativamente os riscos à estrutura e ambientais”, explica.

Flávio Santos também enfatiza que a segurança das barragens operadas pela Caesb é continuamente monitorada por meio de inspeções periódicas nestas estruturas. “Ações são realizadas para o atendimento da legislação referente ao tema, como a Lei nº12.334/2010, que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens”, conclui o gerente.

Barragem do torto

A Captação do Torto foi edificada em 1959, durante a construção de Brasília. Ela é integrante dos três mananciais que possuem água tratada na Estação de Tratamento de Água (ETA) Brasília: Torto, Santa Maria e Bananal. A ETA Brasília é responsável pela produção de aproximadamente 25% da água tratada no DF.

Do volume tratado pela ETA Brasília em 2020, a participação da captação do Torto foi de 50%. A vazão média captada no local, em 2020, foi de 1.100 L/s.  Com uma área aproximada de 18,3 hectares, é composta por uma barragem de terra, um sistema de extravasor de cheias (vertedouro), um descarregador de fundo e uma tomada d’água, de captação de água bruta. Fica no interior do Parque Nacional de Brasília.

 Com informações da Caesb