Guerra na Ucrânia já causa efeitos na disputa eleitoral brasileira - PORTAL DE NOTÍCIAS DO ONILDO ALVES

Page Nav

HIDE

Pages

Últimas notícias:

latest

Guerra na Ucrânia já causa efeitos na disputa eleitoral brasileira

  Lula, Moro e Doria intensificam críticas a Bolsonaro e ao governo brasileiro com o agravamento do conflito na Ucrânia A  invasão russa à U...

 


Lula, Moro e Doria intensificam críticas a Bolsonaro e ao governo brasileiro com o agravamento do conflito na Ucrânia

invasão russa à Ucrânia tornou-se pauta eleitoral no Brasil. Desde a última quinta-feira, quando o presidente Vladimir Putin autorizou a operação militar no leste europeu, pré-candidatos ao Palácio do Planalto dirigem críticas aos adversários ao comentar a violência sofrida pelos ucranianos. Além da postura do presidente Jair Bolsonaro frente ao conflito, o debate passou a abordar a política externa brasileira, assunto que usualmente

Líder das pesquisas de intenção de voto, Luiz Inácio Lula da Silva foi às redes sociais questionar "para que serve um presidente que briga com todo mundo". "Até em coisas sérias, ele (Bolsonaro) mente, disse que tinha conseguido a paz ao viajar para a Rússia", escreveu Lula. O petista referiu-se à declaração de Jair Bolsonaro de que Putin "busca a paz" e que, "coincidência ou não, parte das tropas deixaram a fronteira" durante a visita do presidente brasileiro.

Terceiro colocado na corrida eleitoral, Sergio Moro preferiu criticar ambos concorrentes. Acusou Bolsonaro e o Partido dos Trabalhadores de estarem alinhados a apoiadores da Rússia. "Venezuela, Nicarágua e Cuba apoiam a agressão Russa à Ucrânia. Alinhados com estas ditaduras estão também Bolsonaro e o PT. Nós estamos do outro lado", escreveu.

O presidenciável João Doria (PSDB-SP) também atacou os dois pólos. Sobre a nota do PT contra os Estados Unidos, depois apagada, o tucano disse que o partido "desprezou a dor e o sofrimento de seres humanos para defender um ditador". Ontem, criticou Jair Bolsonaro: "Ao não assinar carta da OEA condenando a invasão russa à Ucrânia, o Brasil fica ao lado de ditaduras como Cuba e Nicarágua, que também se recusaram a ratificar o documento. 500 brasileiros esperam por ajuda na Ucrânia. Este governo ficará ao lado da democracia ou do autoritarismo?", disparou o governador.

O Planalto reagiu. A primeira contraofensiva partiu do ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Segundo ele, a politização da guerra na Ucrânia é "oportunista". Em resposta à sugestão de Lula para Bolsonaro ir à Ucrânia em busca de paz, o ministro disse que o Brasil deve se preocupar com a Urânia, "um dos quase 70% dos municípios brasileiros com menos de 20.000 habitantes que precisam de políticas públicas", escreveu. Segundo Ciro, é preciso "resolver os problemas brasileiros e não usar ironias estudantis para atacar o presidente Bolsonaro".

O presidente, por sua vez, se manifestou ontem nas redes sociais. Bolsonaro ressaltou as ações do Brasil no âmbito diplomático e culpou a imprensa por "ruídos" em seus posicionamentos contra a violência sofrida na Ucrânia.

Para analistas políticos, é possível que pré-candidatos se estendam nas críticas à postura do Brasil ante o conflito europeu. É o que aposta o cientista político do Insper Leandro Consentino. "Como a terceira via está vendo que a polarização está estabelecida, eles vão tentar explorar quaisquer fatos novos para tentar furar a polarização e se impor", avaliou. Para o especialista, a postura de Bolsonaro não deve mudar.

O professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB) Roberto Goulart Menezes acredita que a guerra na Ucrânia tende a se tornar um tema nas eleições por conta de o Brasil ser membro dos Brics, assim como a Rússia. "O Brasil será cobrado a se posicionar de modo firme frente às graves violações que a Rússia está cometendo. Caso a guerra se estenda, sem dúvida será um tema da eleição e no contexto da reconstrução da política externa brasileira", observou.

 

Com i nformações do CB

Nenhum comentário