Fenômeno ocorre quando satélite natural está no ponto de órbita mais próximo da Terra. Lua cheia pode ser vista até sábado (3).

A primeira "Superlua" de 2021 brilhou no céu do Distrito Federal na noite deste domingo (28). Segundo a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), a lua ficou cheia às 15h48 e permanecerá até a noite do próximo sábado (3). Na manhã desta segunda-feira (29) ainda era possível vê-la no céu da capital (veja mais fotos abaixo)

Eclipse, superlua e chuva de meteoros: saiba quais eventos observar no céu de Brasília em 2021

'Superlua'; entenda o fenômeno

As superluas são um dos eventos que mais chamam a atenção dos apaixonados pelo céu. O fenômeno ocorre quando o satélite natural da Terra está em seu perigeu – ponto de órbita mais perto da Terra, que coincide com a fase da lua cheia.

Superlua registrada no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Superlua registrada no DF — Foto: TV Globo/Reprodução



Superlua em Águas Claras, no DF — Foto: Adriano Zanon

Superlua registrada na manhã desta segunda-feira (29), no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Superlua registrada na manhã desta segunda-feira (29), no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

De acordo com a Nasa, o fenômeno visível em Brasília também é chamado de "Lua de Minhoca" – nome da última Lua cheia no mês de março. Historicamente, os povos antigos mais ao Sul dos Estados Unidos chamavam essa época desta forma, já que as minhocas surgem quando o gelo derrete.

Superlua registrada próxima à Catedral Metropolitana do DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Superlua registrada próxima à Catedral Metropolitana do DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Curiosidades sobre a Lua:

  • A órbita da Lua ao redor da Terra tem forma elíptica - uma forma oval que aproxima e distancia o satélite do nosso planeta;
  • O ponto mais distante dessa elipse é chamado apogeu. É quando acontece a Microlua;
  • O ponto mais próximo é o perigeu;
  • Quando a Lua está cheia e em seu perigeu (Superlua), ela pode parecer até 14% maior e 30% mais brilhante ao ser vista da Terra do que no momento do apogeu, segundo a Nasa.

Entenda os fenômenos da Superlua e Microlua — Foto: Juliane Souza/G1