Caso ocorreu na madrugada desta sexta-feira (11), no Sol Nascente. PM afirma que militares tentaram conter suspeito com arma de choque, mas mesmo assim ele continuou ataques

Policiais militares prenderam um homem suspeito de matar a própria companheira, de 34 anos, no Sol Nascente, no Distrito Federal. O ca Caso ocorreu na madrugada desta sexta-feira (11), no Sol Nascente. PM afirma que militares tentaram conter suspeito com arma de choque, mas mesmo assim ele continuou ataques so aconteceu na madrugada desta sexta-feira (11), na chácara 151 da região. A ocorrência foi registrada como feminicídio.

Feminicídio: entenda como funciona investigação sobre mortes de mulheres no DF

Na cena do crime: conheça o trabalho das peritas em casos de feminicídio no DF

Segundo a corporação, quando os policiais chegaram ao endereço do casal, Ricardo Silva Souza ainda esfaqueava Maria Jaqueline da Silva, que já estava morta. Em seguida, o suspeito tentou agredir os militares, que usaram uma arma de choque para tentar contê-lo.

Ainda de acordo com a PM, mesmo após ser atingido pela descarga elétrica, o suspeito continuou as agressões contra os militares. A corporação afirma que, então, os policiais precisaram atirar com uma arma de fogo, para conter o homem. Ainda assim, ele só parou após ser atingido com uma barra de ferro.

Ricardo foi baleado no ombro e no braço, socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC), onde permaneceu sob escolta policial. O caso é investigado pela 15ª Delegacia de Polícia, em Ceilândia Norte.

Investigação

Um vizinho do suspeito acionou a Polícia Militar ao ver as agressões. Os militares precisaram arrombar a casa e flagraram a vítima deitada de bruços, sem vida e sendo esfaqueada.

Segundo a Polícia Civil, durante o crime, o homem falava em voz alta "palavras relacionadas à religião, como se estivesse em surto psicótico". Uma testemunha contou que Ricardo morava há um ano na residência.

De acordo com o depoimento, essa era a primeira vez que ele levava a companheira à casa. O casal chegou por volta das 23h. A testemunha contou que, por volta de 1h, escutou a mulher pedir ajuda, mas não conseguiu arrombar a porta e, ao olhar pela janela, viu uma cama ensanguentada e o homem esfaqueando a vítima.

A Polícia Civil apreendeu a faca usada no crime e o item foi encaminhado para a perícia. A arma usada pelos PMs para atirar contra o suspeito também foi recolhida para análise.

De acordo com a delegada à frente do caso, Adriana Romana, da Delegacia Especial de Atendimento a Mulher 2, em Taguatinga, Ricardo tem passagens na polícia por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo, e estava em prisão domiciliar.

Mãe e filha assassinadas

A mulher morta no Sol Nascente é, pelo menos, a terceira vítima de feminicídio esta semana no DF. Na quinta-feira (10), policiais civis prenderam um suspeito de matar Maria Madalena Cordeiro Neto, de 65 anos, e Giane Cristina Alexandre, de 36 anos, em Planaltina.

As vítimas eram mãe e filha e os corpos foram encontrados no início da manhã, em uma casa da quadra 8, na região do Arapoanga.

Homem confessa assassinato de mãe e filha em Planaltina
00:00/01:41

Homem confessa assassinato de mãe e filha em Planaltina

O homem preso é Josimar Benedito de Paiva, ex-companheiro da mulher mais jovem. Ele e Giane tiveram um relacionamento por três anos e, de acordo com a 31ª Delegacia de Polícia, estavam separados desde o dia 21 de setembro.

Segundo a polícia, Giane foi sufocada com uma fronha. A mãe dela foi esganada, conforme a investigação.

Como e onde denunciar violência contra mulheres?

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a Secretaria de Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP) tem canais de atendimento que funcionam 24 horas. As denúncias e registros de ocorrências podem ser feitos pelos seguintes meios:

Telefone 197

Telefone 190

E-mail: denuncia197@pcdf.df.gov.br

Whatsapp: (61) 98626-1197

Delegacias – que são consideradas serviço essencial – continuam funcionando normalmente. Trinta delas atendem em regime de plantão ininterrupto de 24h.

O DF tem duas Delegacias Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), na Asa Sul e em Ceilândia, mas os casos podem ser denunciados em qualquer unidade.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), também recebe denúncias e acompanha os inquéritos policiais, auxiliando no pedido de medida protetiva à Justiça.

Em casos de flagrante, qualquer pessoa pode pedir o socorro da polícia, seja testemunha ou vítima.

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM)

Endereço: EQS 204/205, Asa Sul, Brasília

Telefones: (61) 3207-6195 e (61) 3207-6212

Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (DEAM II)

Endereço: QNM 2, Conjunto G, Área Especial, Ceilândia Centro

Telefone: (61) 3207-7391

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)

Endereço: Eixo Monumental, Praça do Buriti, Lote 2, Sala 144, Sede do MPDFT

Telefones: (61) 3343-6086 e (61) 3343-9625

Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar

Contato: 3190-5291

Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal

Contato: 180

Monitor da Violência: veja todos os vídeos


Com informações do G1 Brasília