Givelson Carlos Batista foi liberado do hospital na sexta-feira (20), mas sofreu uma parada cardiorrespiratória em casa, segundo sindicato que representa corporação.

Morreu na tarde deste domingo (22) o policial civil aposentado Givelson Carlos Batista. Ele foi atropelado no início de novembro enquanto pedalava em uma rodovia na Fercal, no Distrito Federal.

Após ser resgatado em estado grave, Givelson ficou internado por 12 dias e recebeu alta na última sexta-feira (20). No entanto, já em casa, sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu, de acordo com informações do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-DF). A causa do problema não foi informada.

O motorista envolvido no acidente não tinha Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e fugiu após atingir a vítima (entenda abaixo).

Em nota, o Sinpol-DF afirmou que "lamenta profundamente a partida do Givelson justamente após lutar tanto pela vida" e manifestou solidariedade aos parentes e amigos.

Atropelamento e fuga

Bicicleta da vítima de acidente na DF-205 — Foto: Polícia Civil do DF/Divulgação

Bicicleta da vítima de acidente na DF-205 — Foto: Polícia Civil do DF/Divulgação

O acidente foi por volta de 9h, na DF-205. Segundo o Corpo de Bombeiros, Givelson apresentava fraturas no zigomático (osso do crânio), no braço esquerdo, costela esquerda e escoriações pelo corpo.

Conforme o boletim policial, registrado na 35ª Delegacia de Polícia, de Sobradinho II, o motorista foi identificado como Renato Ferreira da Silva. Um militar contou na delegacia, que Renato chegou a se apresentar como responsável pelo acidente e afirmou que não tinha Carteira Nacional de Habilitação.

De acordo com o policial, assim que ele falou que o motorista seria levado para a delegacia, Renato fugiu em direção à um matagal na região. A PM tentou capturar o homem, mas não conseguiu.

Carro que homem dirigia ficou com frente destruída — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Carro que homem dirigia ficou com frente destruída — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Posteriormente, Renato se apresentou à delegacia na companhia de uma advogada. Ele assinou um termo de comparecimento em juízo e foi liberado em seguida.

A ocorrência foi registrada como falta de habilitação para dirigir, acidente de trânsito com vítima e evasão do local de acidente.

Com informações do G1 Brasilia