As buscas por Cleonice Marques, 43 anos, completaram 24 horas. O principal suspeito do crime é Lázaro Barbosa Sousa, um homem que acumula passagens por estupros, roubos e homicídio

O sequestro da empresária Cleonice Marques, 43 anos, e a morte do marido, Cláudio Vidal, 48, e dos dois filhos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15, causaram forte comoção em todo o Distrito Federal. O principal suspeito do crime é Lázaro Barbosa Sousa, 33, um homem que acumula passagens por estupros, roubos e homicídio. Algumas questões, no entanto, seguem sem respostas.

Lázaro invadiu a residência da família, no Incra 9 de Ceilândia Norte, por volta das 2h. Ele arrombou a porta e, em menos de 10 minutos, matou o marido de Cleonice e os dois filhos a facadas. Antes de conseguir entrar na casa, a empresária ligou para o irmão pedindo socorro. O familiar chegou ao imóvel em pouco tempo, mas se deparou com os corpos no quarto e não encontrou Cleonice. Mesmo agonizando, Cláudio conseguiu alertar o cunhado: “Age rápido. Levaram a Cleonice”, disse segundos antes de morrer.

Na tarde desta quarta-feira (9/6), as forças de segurança do DF se mobilizaram em uma mega-operação para tentar localizar a mulher e o suspeito. Buscas em um matagal próximo foram feitas durante todo o dia com cães farejadores, além do uso de drones. Nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (10/6), policiais do DF entraram no segundo dia de buscas.

O que falta saber?


Familiares das vítimas contaram que Cleonice, o marido e os filhos não tinham guerra com ninguém e eram pessoas trabalhadoras. A família administrava uma floricultura perto de casa, a Viveiro Vidal, uma loja especializada na venda de vegetais, frutas, plantas, mudas e vasos.

Resta saber o que teria motivado o triplo homicídio, qual caminho o suspeito traçou para fugir e onde está Cleonice e se houve a participação de mais pessoas no assassinato. Outro detalhe que chama a atenção na investigação é o fato de o suspeito não ter levado nenhum pertence da família. Na casa, foram encontrados dinheiro e o carro das vítimas.

Uma familiar contou ao Correio que os parentes seguem com esperança em encontrar Cleonice com vida. A família decidiu sepultar o pai e os filhos somente após achar a mulher. “O IML deu 15 dias”, disse uma parente, que prefere não revelar o nome.

Ficha criminal

Lázaro Barbosa é natural de Barra do Mendes (BA). Contra ele, há um mandado de prisão expedido pela Justiça da Bahia por homicídio qualificado e dois mandados condenatórios por roubo qualificado cometidos no DF. Além disso, o criminoso considerado de alta periculosidade é investigado por um crime de roubo seguido por estupro no Sol Nascente.

Em 26 de abril, Lázaro teria abordado uma mulher que caminhava no meio da rua. Ele anunciou o assalto e a estuprou em seguida. O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam). A Polícia Civil apura, ainda, um outro roubo a uma chácara próxima à da família de Cleonice. O homem usou o mesmo modus operandi, mas não cometeu homicídio.

De acordo com a apuração policial, ele invadiu a casa mascarado, amarrou as vítimas e as obrigou a ficarem nuas. Sentado, ele ordenou que as mulheres cozinhassem e servissem para ele. Depois, fugiu levando alguns pertences e o carro da família. As vítimas estiveram ontem na delegacia e reconheceram o homem por foto.

Uma familiar contou ao Correio que os parentes seguem com esperança em encontrar Cleonice com vida. A família decidiu sepultar o pai e os filhos somente após achar a mulher. “O IML deu 15 dias”, disse uma parente, que prefere não revelar o nome.

Ficha criminal

Lázaro Barbosa é natural de Barra do Mendes (BA). Contra ele, há um mandado de prisão expedido pela Justiça da Bahia por homicídio qualificado e dois mandados condenatórios por roubo qualificado cometidos no DF. Além disso, o criminoso considerado de alta periculosidade é investigado por um crime de roubo seguido por estupro no Sol Nascente.

Em 26 de abril, Lázaro teria abordado uma mulher que caminhava no meio da rua. Ele anunciou o assalto e a estuprou em seguida. O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam). A Polícia Civil apura, ainda, um outro roubo a uma chácara próxima à da família de Cleonice. O homem usou o mesmo modus operandi, mas não cometeu homicídio.

De acordo com a apuração policial, ele invadiu a casa mascarado, amarrou as vítimas e as obrigou a ficarem nuas. Sentado, ele ordenou que as mulheres cozinhassem e servissem para ele. Depois, fugiu levando alguns pertences e o carro da família. As vítimas estiveram ontem na delegacia e reconheceram o homem por foto.

Com informações do CB