Segundo especialistas, momento em que lua cobre sol poderá observado parcialmente na capital. Mês também tem encontro de planetas e chuva de meteoros.

Um eclipse solar poderá ser observado parcialmente no céu de Brasília no início da tarde desta segunda-feira (14). Segundo especialistas, é possível ver o fenômeno com ajuda de filtros que auxiliam a observar o sol (veja mais abaixo).

Veja fotos e vídeos do eclipse solar em 2019

Eclipse solar total: saiba onde e quando poderá ser visto o fenômeno de 14 de dezembro no Brasil

O eclipse não é o único evento astronômico previsto para o mês de dezembro. Ao longo desta e da próxima semana, interessados também vão poder observar uma chuva de meteoros e o encontro da lua com Júpiter e Saturno.

Eclipse solar

O fenômeno terá maior visibilidade em países da América do Sul, como o Brasil. No entanto, poderá ser visto com ainda mais clareza em pontos do Chile e da Argentina.

O eclipse está previsto para começar às 11h33 e terminar às 15h53. A expectativa é de que, por 24 minutos, a lua nova passe sobre a face do sol, até encobri-lo completamente por pouco mais de 2 minutos.

Para aqueles que não conseguirem acompanhar o fenômeno, ele será exibido online pela Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço, a Nasa. A transmissão está prevista para começar a partir das 11h40.

Ao G1, o diretor técnico do Clube de Astronomia de Brasília (CasB), Maciel Bassani Sparrenberger, explica que, no DF, a fração do sol que a lua vai cobrir é de menos de 10%.

"Se você não for avisado, acaba não percebendo. Para enxergá-lo, é preciso olhar para o sol. Não precisa necessariamente de um telescópio, mas de um filtro. Óculos não serve", alerta.

De acordo com Maciel, os interessados em acompanhar o eclipse podem utilizar um equipamento de proteção visual usado por soldadores. O item é vendido em casas de material para construção, por exemplo. Os mais indicados são os mais escuros, como o de número 14.

Chuva de meteoros

Outro fenômeno astronômico que ocorre nesta semana é o pico da chuva de meteoros geminídeas. O evento teve início no domingo (13) e continua nesta segunda. Segundo Maciel, a chuva pode ser vista a olho nu, porém, é de difícil percepção nas cidades, devido à poluição luminosa.

Chuva de meteoros é registrada em Taquara em dezembro do ano passado — Foto: Observatório Heller & Jung / Divulgação

Chuva de meteoros é registrada em Taquara em dezembro do ano passado — Foto: Observatório Heller & Jung / Divulgação

"O ideal é que seja um local aberto, sem ser arborizado. Leve sua cadeira de praia e, de preferência, um amigo para conversar", aconselha.

Conjunção planetária

Outro evento astronômico previsto para este mês é o encontro da lua com Júpiter e Saturno. O fenômeno ocorre nesta quarta (16) e quinta-feira (17).

Conjunção planetária ocorre em 21 de dezembro — Foto: Getty Images via BBC

Conjunção planetária ocorre em 21 de dezembro — Foto: Getty Images via BBC

Maciel explica que, nessas datas, ocorre uma conjunção entre os três astros e é possível observar a diferença de brilho e tamanho.

Após o fenômeno, em 21 de dezembro, ocorre a conjunção planetária apenas de Júpiter e Saturno. Esse evento ocorre a cada 20 anos, e esta é a vez em que eles vão ficar mais próximos da Terra nos últimos 400 anos.

A conjunção poderá ser vista a olho nu. Porém, o recomendado é usar um telescópio para ter toda a percepção do evento, considerado raro.

VÍDEOS: astronomia e exploração espacial

Com informações do G1Brasilia