Marcelo Marinho de Noronha, a mulher e dois filhos foram detidos em flagrante; G1 tenta contato com defesas. Suspeitos vão responder por tráfico de drogas.

O delegado Marcelo Marinho de Noronha, preso nesta sexta-feira (4) por tráfico de drogas, produzia maconha "em escala industrial", segundo relato da Polícia Civil à Justiça do Distrito Federal. A declaração consta na ata da audiência de custódia que determinou a prisão preventiva do servidor.

Em uma chácara da família do policial, em São Sebastião, a Corregedoria-Geral da corporação apreendeu 128 pés de maconha. A mulher de Marcelo e os dois filhos do casal também foram detidos. Eles vão responder por tráfico de drogas e associação para o tráfico. O G1 tenta contato com as defesas.

A prisão é resultado de uma investigação que durou dois meses, após uma denúncia anônima. No imóvel, na região de Nova Betânia, os agentes encontraram estufas, sementes da espécie cannabis sativa e iluminação artificial, que seria usada para potencializar o crescimento das plantas.

"Também durante os trabalhos de investigação da Polícia Civil, constatou-se que vários visitantes da residência de Marcelo possuiriam antecedentes criminais, inclusive por tráfico de drogas", diz trecho da audiência de custódia.

Sementes apreendidas em casa de delegado da PCDF  — Foto: PCDF/Divulgação

Sementes apreendidas em casa de delegado da PCDF — Foto: PCDF/Divulgação

'Tecnologia avançada'

Na decisão que determinou a prisão por tempo indeterminado do delegado, o juiz Evandro Moreira da Silva cita o "método sofisticado de produção dos entorpecentes". Segundo o documento da Justiça, a família possuía "um arsenal de equipamentos que possibilitariam o plantio em larga escala".

"A grande quantidade de plantas encontradas no local está a indicar, ao menos neste momento indiciário, a configuração do delito de tráfico, e não apenas a de produção para uso próprio da substância."

Já a Corregedoria-Geral fala em "infraestrutura tecnológica bem avançada para transformação da planta em droga". Ao todo, foram apreendidos R$ 3,5 mil em espécie na casa da família.

Desde maio, o delegado Marcelo de Noronha atua na Comissão Permanente de Disciplina (CPD) da Polícia Civil. Ele já foi diretor da Penitenciária do Distrito Federal II (PDF II) e delegado-chefe da 10ª delegacia de polícia, no Lago Sul.

Fonte G1DF