postado em 26/10/2020 16:51 / atualizado em 26/10/2020 16:52

Descoberta pode ajudar na exploração do satélite natural da Terra

A agência espacial norte-americana (Nasa) divulgou, nesta segunda-feira (26/10), que encontrou evidências de moléculas de água no lado iluminado da superfície da Lua. Há mais de 10 anos, pesquisadores já apontavam para a possibilidade, mas ainda não havia nenhuma comprovação

O estudo conduzido pela Nasa foi publicado pela revista Nature Astronomy. Por meio do observatório Sofia, os pesquisadores conseguiram identificar moléculas de água na Cratera Clavius, uma das maiores crateras da superfície lunar. Segundo o estudo, não dá para dizer que se trata de gelo ou de água em forma liquida, porque foram identificadas somente moléculas soltas.

"São apenas as moléculas de água, porque estão tão espalhadas que não interagem umas com as outras para formar gelo ou estar na forma líquida", explicou Casey Honniball, pesquisadora da Nasa

Além desse estudo, a revista publicou um outro da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, que também apontou para evidências da existência de água no satélite natural. Segundo a pesquisa, existem várias micro crateras com água congelada no fundo. Elas ficam em uma parte da lua que não bate luz e por isso é muito gelada.

Os cientistas não sabem explicar como essa água foi parar lá. Se foi levada por algum asteroide ou meteoros ou se ela é produzida na Lua.

Porém, o fato da comprovação de água na superfície lunar torna ainda mais possível a exploração do satélite. "Se estivermos certos, a água será mais acessível para beber, para combustível de foguete, tudo para o que a Nasa precisa de água", disse Paul Hayne, que liderou a pesquisa na Universidade do Colorado.

Fonte: CB