Sábado, 15 de Agosto de 2020
NOTÍCIAS DO BRASIL

STF adiou para 2020 pelo menos 4 decisões importantes para o país

Publicada em 05/01/20 às 07:52h - 124 visualizações

por Portal de Comunicação do Onildo Alves


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Portal de Comunicação do Onildo Alves )

Como ficam os réus que continuam presos após condenação em 2ª instância? E os julgamentos irregulares da Lava Jato, vão ou não ser anulados?

Tribunal Federal (STF) deixaram para 2020 pelo menos quatro decisões importantes de temas que começaram a ser discutidos no ano passado. Entre elas estão a forma como os tribunais do país devem agir com réus que perderam a liberdade por condenações em segunda instância e a determinação clara do que acontece com as sentenças da Lava Jato consideradas irregulares pela Corte por uma falha na ordem das alegações finais.

Veja quatro casos nos quais o STF deixou para 2020 o que poderia ter resolvido em 2019:

- Segunda instância

Toffoli resistiu o quanto conseguiu, mas acabou se vendo obrigado a discutir no fim de 2019 o tema sugerido havia quase dois anos pelo ministro Marco Aurélio de Mello: a inconstitucionalidade das prisões após condenações em tribunais de segunda instância.

Assim que optou por mudar (novamente) a interpretação do momento em que os réus do país podem cumprir pena, o STF prometeu voltar a se reunir para estabelecer como seria a regra transmitida a todos os tribunais do Brasil.

Caberia ao plenário estabelecer como se daria a liberação dos condenados  encarcerados após condenações em segunda instância. Mas Toffoli não marcou data alguma para isso.

Com essa indefinição, aumentou o número de pessoas presas de forma inconstitucional, contrariando a regra de que ninguém pode cumprir pena antes do processo transitado em julgado. O Conselho Nacional de Justiça não sabe dizer quantos detentos brasileiros se enquadram nesse perfil.

- Ordem das alegações

O Supremo viu um erro processual em boa parte dos processos tocados pela Operação Lava Jato nos julgamentos de primeira instância. 

O plenário concordou com a tese das defesas de que, ao permitir que réus delatados tivessem o mesmo momento para fazer por escrito as alegações finais dos delatores, o então juiz federal Sergio Moro arranhou parte do direito de se defender dos acusados.

Após a votação, ficou implícito, aparentemente, que todos os processos nos quais ocorreu essa falha processual seriam anulados e voltariam para a primeira instância, independentemente da fase em que estivessem. Mera ilusão.

O que ocorreu com o processo do sítio de Atibaia, atribuído ao ex-presidente Lula, prova que ainda faltava uma posição mais firme do Supremo. O tema é esperado na pauta do tribunal no início deste ano.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) se reuniu em dezembro e decidiu ignorar a decisão do STF condenando novamente Lula num caso em que também houve o erro jurídico apontado pelo Supremo.

O assunto voltará certamente ao STF porque parlamentares e associações de todo  o Brasil ligadas ao Judiciário consideram a medida um passo atrás nos processos do país e um risco às investigações.

A Lei de Abuso de Autoridade prevê, além de penas de prisão e multa a policiais, juízes e promotores, sanções administrativas, como a perda ou afastamento do cargo.

fonte:R7




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 61 98256-9400

Visitas: 1708177
Usuários Online: 50
Copyright (c) 2020 - Portal de Comunicação do Onildo Alves